sexta-feira, 25 de julho de 2008

A parábola da rosa

Certa vez, um homem plantou uma roseira e passou a regá-la constantemente.
Assim que ela deu o seu primeiro botão, que em breve desabrocharia, o homem notou que havia espinhos sobre o caule e pensou consigo mesmo: "Como pode uma flor tão bela vir de uma planta rodeada de espinhos?"
Entristecido com o facto, ele recusou-se a regar a roseira. Por causa disso, antes mesmo de estar pronta para desabrochar, a rosa morreu.
Isso acontece com muitos de nós com relação à forma como semeamos. Plantamos um sonho e quando surgem as primeiras dificuldades, abandonamos a lavoura. Fazemos planos de felicidade, desejamos colher flores perfumadas e quando percebemos os desafios que se apresentam, logo desistimos e o nosso sonho não se realiza.
Os espinhos são exatamente os desafios que se apresentam para que possamos superá-los. Se encontramos pedras no caminho é para que aprendamos a retirá-las e, dessa forma, os nossos músculos se tornem mais fortes. Não há como chegar ao topo da montanha sem passar pelos obstáculos naturais da caminhada. E o mérito está justamente na superação desses obstáculos.
O que geralmente ocorre é que não prestamos muita atenção à forma de realizar os nossos objetivos e, por isso, desistimos com facilidade e até justificamos o fracasso lançando a culpa em alguém ou nalguma coisa. O importante é que tenhamos sempre em mente que se desejamos colher flores, temos que preparar o solo, selecionar cuidadosamente as sementes, plantá-las, regá-las sistematicamente e, só depois, colher. Se esperamos colher antes do tempo necessário, então a decepção surgirá. Se temos um projecto de felicidade, é preciso investir nele. E considerar também a possibilidade de mudanças na estratégia.
Se, por exemplo, desejamos um emprego estável, duradouro, e não estamos a consegui-lo, talvez tenhamos que rever a nossa competência e a nossa disposição de aprender. Não adianta atirar a culpa aos governantes nem à sociedade; é preciso, antes de tudo, fazer uma avaliação das nossas possibilidades pessoais.
Se desejamos uma relação afectiva duradoura, estável, tranquila, e não conseguimos, talvez seja preciso analisar ou reavaliar nossa forma de amar. Quando os espinhos de uma relação aparecem, é hora de pensar numa estratégia diferente, ao invés de culpar homens e mulheres ou a agitação da vida moderna, ou simplesmente deixar a rosa do afecto morrer de sede.
Há pessoas que, como o homem que deixou a roseira morrer, deixam seus sonhos agonizarem por falta de cuidados ou diminuem o seu tamanho. Vão-se contentando com pouco na esperança de sofrer menos. Mas o ideal é estabelecer um objectivo e investir esforços para concretizá-lo.
Se no percurso aparecerem alguns espinhos, é porque estamos a ser desafiados para os superar, e jamais a desistir.
Quem deseja aspirar o perfume das rosas, terá que aprender a lidar com os espinhos.Quem quer trilhar por estradas limpas, terá que se curvar para retirar as pedras e outros obstáculos que surjam pela frente. Quem pretende saborear a doçura do mel, precisa de superar eventuais ferroadas das fabricantes, as abelhas. Por tudo isso, não deixem que nenhum obstáculo impeça a vossa marcha para a conquista de dias melhores.

Fiquei a conhecer esta parábola e adorei. É um lema de vida. Uma forma de nos lembrar uma vez mais que somos nós próprios que construimos a nossa felicidade e que determinamos os nossos percursos. E que apesar de surgirem muitos obstáculos no caminho,a solução mais eficaz não é voltar para trás. É antes desviar as pedras, ou contornar o obstáculo, porque nem nem sempre o caminho mais curto é o melhor. E mesmo que seja necessário fazer mais uma caminhada, isso pode valer-nos a felicidade. Os espinhos que por vezes nos ferem são os mesmos que nos fazem depois desabrochar em toda a nossa beleza e vivacidade.

5 comentários:

Anónimo disse...

Não conhecia a parábola da rosa mas é de facto uma lição de vida, onde nos ensina a compreender e entender os obstáculos que vão surguindo nos nossos caminhos, que não são nada mais que a força de que precisamos para continuarmos a nossa caminhada e atingir-mos os nossos objectivos, que depois de conquistados tem um "sabor" incalculável.
Bjinhos Liliana

P.B. disse...

São esses espinhos que por vezes nos fazem desistir daquilo que mais importa.
Mas também são esses mesmos espinhos que fazem com que as nossas pequenas vitórias tenham um sabor tão intenso!

Beijinhos

CESAR disse...

Páginas-com-sentimentos

Já tinha ouvido falar diversas vezes dessa parábola, mas na verdade nunca a li.
É de facto soberba. Uma análise ao ser humano, e a sua vontade de prosseguir o que deseja. sem sombra de dúvidas um belíssimo texto.

E é como tu dizes. Quem quer alguma coisa não espere que lha dêem. Ninguém dá nada a ninguém, já diziam os antigos.
Se queremos algo temos de ir à luta.
Quanto às pedras. Por vezes, quando estou no meu evil mood, acho que é mais útil agarrar uma pedra do caminho e arremessá-la à cabeça de um dos nossos potenciais adversários. Só para reduzir a concorrência... eh eh. Mas isso é nos dias em que sou um sacana. (são raros, felizmente)

É conclusão da parábola é muito previsível. Simplesmente diz que quando os nossos esforços têm frutos a sensação é indescritível, assim como o é o assistir ao desabrochamento de uma rosa.

"no pain no gain..."

Parabéns pelo blog.
CESAR

Suellen Martins disse...

Já conhecia a parábola da rosa
é muito linda, mas o que de fato quer para refletirmos é que possamos descubrir as rosas que existem dentro de cada um de nós e das pessoas que amamos...
ou seja, não se atentar para os espinhos( coisa ruins) e sim para as coias boas e lindas da vida ( a rosa).
O importante é a rosa!
bjos

Parabéns pelo Blog.

Eduardo disse...

Realmente, uma parabola muito boa.
A vida é repleta de dificuldades que somente quem as pessoas que tem determinação e coragem de enfrentar esses obstaculos conseguem seguir em frente. Falar que passou por um caminho repleto de espenhos sem se arranhar é um absurdo. Ninguém passa sem se ferir, mas cada cicatriz que ganhamos no tortuoso caminho que a vida nos guia, tem maior capacidade e preparo para os próximos.

Parabéns pelo blog e o post esta muito bonito.